CoDAS
https://codas.org.br/journal/codas/article/doi/10.1590/2317-1782/20202019259
CoDAS
Artigo Original

Triagem Auditiva Neonatal: associação entre a cobertura, oferta de fonoaudiólogos e equipamentos no Brasil

Newborn Hearing Screening: association between coverage, and the availability of speech therapists and equipment in Brazil

Thalita da Silva Oliveira, Monique Ramos Paschoal Dutra, Hannalice Gottschalck Cavalcanti

Downloads: 1
Views: 430

Resumo

Objetivo: Verificar a cobertura da triagem auditiva neonatal e sua associação com a quantidade de Fonoaudiólogos no SUS e de equipamentos disponíveis nas unidades federativas do Brasil nos anos de 2012 e 2018. Método: O estudo é do tipo ecológico descritivo de séries temporais tendo como unidade de análise as Unidades de Federação do Brasil e os nascidos-vivos. Foi realizada a análise exploratória da cobertura da triagem auditiva neonatal e análise descritiva dos dados. O coeficiente de correlação do ranking de Spearman foi usado para medir a força e direção de associação entre duas variáveis ranqueadas. Resultados: A COB no Brasil apresentou evolução de 24,1% para 67,6%. Observaram-se melhores coberturas estão nas Regiões Sul e Sudeste em 2012 e no ano de 2018 destacando-se a Região Sul e o estado do MS. A média do índice de fonoaudiólogos foi de 4,79 e 8,9/100.000 habitantes, respectivamente para os anos de 2012 e 2018. O índice da oferta de equipamentos de “Emissões Otoacústicas Evocadas Transientes” se manteve abaixo de 1/100.000 habitantes nos dois anos e em todas as unidades federativas do país. Conclusão: A cobertura da triagem apresentou um aumento no Brasil, porém ainda abaixo do recomendado e está relacionada com o aumento da inserção de fonoaudiólogos no SUS. A distribuição espacial se apresenta heterogênea em todo seu território.

Palavras-chave

Audição; Triagem Neonatal; Recém-Nascido; Equipamentos e Provisões; Sistema Único de Saúde; Sistemas de Informação em Saúde

Abstract

Purpose: To verify the coverage of neonatal hearing screening and its association with the number of Speech Therapists in SUS and of equipment available in the federal units of Brazil in the years 2012 and 2018. Methods: The study is of the ecological type of time series with the unit of analysis the Federation Units of Brazil and the live births. An exploratory analysis of neonatal hearing screening coverage and descriptive data analysis was performed. The Spearman ranking correlation coefficient was used to measure the strength and direction of association between two ranked variables. Results: COB in Brazil increased from 24.1% to 67.6%. Better coverage was observed in the South and Southeast regions in 2012 and in 2018, especially the South Region and the state of MS. The average rate of speech therapists was 4.79 and 8.9 / 100,000 inhabitants, respectively for the years 2012 and 2018. The index of equipment supply of “Transient Evoked Otoacoustic Emissions” remained below 1 / 100,000 inhabitants in the two years and in all federal units in the country. Conclusion: The coverage of the screening showed an increase in Brazil, but still below the recommended and is related to the increase in the insertion of speech therapists in SUS. The spatial distribution is heterogeneous throughout its territory

Keywords

Hearing; Newborn Screening; Audiologist; Equipment and Supplies; National Health System; Health Information Systems

Referências

1. ASHA: American Speech-Language-Hearing Association. Guidelines for Audiologic Screening [Internet]. Rockville: ASHA; 1997 [citado em 2020 Abr 22]. Disponível em: www.asha.org

2. Bertoldi P, Manfredi A, Mitre E. Análise dos resultados da triagem auditiva neonatal no município de Batatais. Medicina (Ribeirao Preto Online). 2017;50(3):150-7.

3. Costa APC, Raignieri FSB, Figueiredo KJ, Espinosa MM, Nardez TMB, Rodrigues PAL. Avaliação do programa de triagem auditiva neonatal da Clínica Escola do Univag. Rev CEFAC. 2016;18(2):335-40. http://dx.doi. org/10.1590/1982-021620161828715.

4. Silva VL, Castelli CTR, Silveira RS, Tatiana de Carvalho P, Claudia Z, Centenaro LD. Triagem auditiva neonatal em hospital da Rede Cegonha. Rev Bras em Promoção da Saúde. 2019;32:1-9. http://dx.doi. org/10.5020/18061230.2019.8965.

5. Cavalcanti HG, de Melo LPF, Buarque LFSF, Guerra RO. Overview of newborn hearing screening programs in Brazilian maternity hospitals. Rev Bras Otorrinolaringol (Engl Ed). 2014;80(4):346-53. http://dx.doi. org/10.1016/j.bjorl.2014.05.005.

6. Brasil. Resolução no 260, de 10 de Junho de 2000. Dispõe sobre a atuação do Fonoaudiólogo em Triagem Auditiva Neonatal. Diário Oficial da União [Internet]; Brasília; 2000 [citado em 2020 Abr 22]. Disponível em: https://www.sbfa.org.br/portal2017/themes/2017/departamentos/artigos/ resolucoes_68.pdf

7. Brasil. Lei no 12.303, de 2 de Agosto De 2010. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização do exame denominado emissões otoacústicas evocadas. Diário Oficial da União [Internet]; Brasília; 2010 [citado em 2020 Abr 22]. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/ficha/?/legisla/ legislacao.nsf/Viw_Identificacao/lei%2012.303-2010&OpenDocument

8. Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção da Triagem Auditiva Neonatal [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [citado em 2018 Jun 7]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ diretrizes_atencao_triagem_auditiva_neonatal.pdf

9. The Joint Committee on Infant Hearing. Year 2019 Position Statement: Principles and Guidelines for Early Hearing Detection and Intervention Programs. J Early Hear Detect Interv. 2019;9(1):9-29. http://dx.doi. org/10.15142/fptk-b748.

10. Mallmann MB, Tomasi YT, Boing AF. Neonatal screening tests in Brazil: prevalence rates and regional and socioeconomic inequalities. J Pediatr (Rio J). 2020;96(4):487-94. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2019.02.008. PMid:31009617.

11. Cruz LRL, Ferrite S. Cobertura estimada da triagem auditiva neonatal para usuários do Sistema Único de Saúde, Brasil, 2008-2011. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2014;14(4):401-11. http://dx.doi.org/10.1590/S1519- 38292014000400010.

12. Paschoal MR, Cavalcanti HG, Ferreira MÂF. Análise espacial e temporal da cobertura da triagem auditiva neonatal no Brasil (2008-2015). Ciênc. saúde coletiva. 2017 Nov;22(11):3615-24. http://dx.doi.org/10.1590/1413- 812320172211.21452016.

13. Oliveira MK, Leal RUAS, Moreira FRMM. Análise da expansão de oferta e demanda dos cursos de Fonoaudiologia no Brasil entre os anos 1994 e 2014. Rev CEFAC. 2018;20(4):484-92. http://dx.doi.org/10.1590/1982- 0216201820413617.

14. Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA, Rodrigues M. Assistência fonoaudiológica no sus: a ampliação do acesso e o desafio de superação das desigualdades. Rev CEFAC. 2015;17(1):71-9. http://dx.doi.org/10.1590/1982- 0216201515213.

15. Maia MR, Silva MAM, Tavares PMB. Saúde auditiva dos recém-nascidos: atuação da fonoaudiologia na Estratégia Saúde da Família. Rev CEFAC. 2012;14(2):206-14. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462011005000114.

16. Cavalcanti HG, Guerra RO. The role of maternal socioeconomic factors in the commitment to universal newborn hearing screening in the Northeastern region of Brazil. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2012;76(11):1661-7. http:// dx.doi.org/10.1016/j.ijporl.2012.07.041. PMid:22921603.

17. Alvarenga KF, Gadret JM, Araújo ES, Bevilacqua MC. Triagem auditiva neonatal: motivos da evasão das famílias no processo de detecção precoce. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012;17(3):241-7. http://dx.doi.org/10.1590/ S1516-80342012000300002.

18. Dalcin PJ, Laís F, Aurélio TD, Valdani D, Eliza RD, Biaggio EPV. Evasão no reteste da Triagem Auditiva Neonatal: relação com indicadores de risco para deficiência auditiva. Rev CEFAC. 2019;21(4):e2519. http://dx.doi. org/10.1590/1982-0216/20192142519.

19. Sousa MFS, Nascimento CMB, Sousa FOS, Lima MLLT, Silva VL, Rodrigues M. Evolução da oferta de fonoaudiólogos no SUS e na atenção primária à saúde, no Brasil. Rev CEFAC. 2017;19(2):213-20. http://dx.doi. org/10.1590/1982-0216201719215816.

20. Paschoal MR, Cavalcanti HG, Ferreira MÂF. Análise espacial e temporal da cobertura da triagem auditiva neonatal no Brasil (2008-2015). Ciênc. saúde coletiva. 2017 Nov;22(11):3615-24. https://doi.org/10.1590/1413- 812320172211.21452016.

21. Sato T, Nakazawa M, Takahashi S, Mizuno T, Sato A, Noguchi A, et al. Leaflets and continual educational offerings led to increased coverage rate of newborn hearing screening in Akita. Auris Nasus Larynx. 2018;45(4):673- 9. http://dx.doi.org/10.1016/j.anl.2017.11.014. PMid:29196108.

22. Zaitoun M, Nuseir A. Parents’ satisfaction with a trial of a newborn hearing screening programme in Jordan. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2020;130:109845. https://doi.org/10.1016/j.ijporl.2019.109845.

23. Brasil. Decreto nº 7.612, de 17 de Novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite. Diário Oficial da União [Internet]; Brasília; 2011 [citado em 2020 Abr 22]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/ Decreto/D7612.htm

24. Malheiros MASF, Cavalcanti HG. Caracterização dos programas de triagem auditiva neonatal das maternidades localizadas no município de João Pessoa-PB. Rev CEFAC. 2015;17(2):454-60. http://dx.doi. org/10.1590/1982-021620159014.

25. Mumtaz N, Babur MN, Saqulain G. Multi-level barriers & priorities accorded by policy makers for neonatal hearing screening (NHS) in Pakistan: a thematic analysis. Pak J Med Sci. 2019;35(6):1674-9. http:// dx.doi.org/10.12669/pjms.35.6.703. PMid:31777514.

26. Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian - HUMAP. HUMAP adquire aparelho para teste de orelhinha em recém-nascidos [Internet]. Campo Grande: EBSERH. 2015 [citado em 2020 Abr 22]. p. 1. Disponível em: http://www2.ebserh.gov.br/web/humap-ufms/detalhes-das-noticias/-/ asset_publisher/7d2qZuJcLDFo/content/id/386697/2015-05-humap-adquireaparelho-para-teste-de-orelhinha-em-recem-nascidos

27. Francisco V, Oliveira RAD, Carvalho CC, Laguardia J, Bellido JG. SUS: supply, access to and use of health services over the last 30 years. Ciênc. saúde coletiva. 2018 June;23(6):1751-62. http://dx.doi.org/10.1590/1413- 81232018236.06022018.

28. Jacobs B, Ir P, Bigdeli M, Annear PL, Van Damme W. Addressing access barriers to health services: an analytical framework for selectingappropriate interventions in low-income Asian countries. Health Policy Plan. 2012;27(4):288- 300. http://dx.doi.org/10.1093/heapol/czr038. PMid:21565939.

29. Oliveira RAD, Duarte CMR, Pavão ALB, Viacava F. Barreiras de acesso aos serviços em cinco Regiões de Saúde do Brasil: percepção de gestores e profissionais do Sistema Único de Saúde. Cad Saude Publica. 2019;35(11):e00120718. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00120718. PMid:31691779.


Submetido em:
29/11/2019

Aceito em:
23/05/2020

60c8b154a953957acd2ab192 codas Articles

CoDAS

Share this page
Page Sections