CoDAS
https://codas.org.br/article/doi/10.1590/2317-1782/20212021178en
CoDAS
Artigo Original

Perception of speech therapy and education students about their experiences and practices in reading and writing academic genre texts

Percepção de alunos de fonoaudiologia e pedagogia acerca das experiências e práticas de leitura e escrita de textos pertencentes ao gênero acadêmico

Ana Cristina Guarinello; Thiago Mathias de Oliveira; Lilian dos Santos da Silva; Vera Lucia Pereira Dos Santos; Everton Adriano de Morais; Sammia Klann Vieira; Giselle Massi; Ana Paula Berberian

Downloads: 0
Views: 76

Abstract

Purpose

to analyze the perception of Speech-Therapy and Education undergraduates regarding their experiences and practices in reading and writing texts from academic discourse genres.

Methods

It´s a mixed crosscut study, with data collected by the application of a semi-structured questionnaire with open and closed questions about students’ relation towards reading and writing of academic texts, their difficulties in the use of these genres and how they cope with such difficulties.

Results

The results show that a significant number of the students assume that they have some difficulty in reading and writing these discourse genres in academic settings, which may be an indication of gaps in working with reading and writing during previous educational levels. Some of these students even blame themselves for not effectively following the reading and writing proposals in higher education, implying that this is due to an intrinsic disorder.

Conclusion

The data allow us to state that, despite the increase in the number of students in higher education, many still feel excluded from academic life, especially for not using academic discourse genres in a proficient way. It is the University responsibility, along with all actors involved in higher education, to promote actions that consider the right to education for all students.

Keywords

Higher Education; Literacy; Speech Therapy; Students; Teaching

Resumo

Objetivo

Analisar a percepção de alunos dos cursos de Fonoaudiologia e de Pedagogia a respeito de suas experiências e práticas de leitura e escrita de textos pertencentes ao gênero do discurso na esfera acadêmica.

Método

Pesquisa de caráter quanti-qualitativo, de corte transversal e do tipo analítico. Para o levantamento dos dados, foi aplicado um questionário com perguntas que abrangiam a relação dos alunos com a leitura e com a escrita de textos pertencentes ao gênero acadêmico e as dificuldades enfrentadas no uso desse gênero do discurso.

Resultados

Muitos alunos supõem que apresentam alguma dificuldade no uso dos gêneros discursivos usados na universidade, o que pode indicar lacunas no trabalho com a linguagem escrita nos níveis de ensino que antecederam sua entrada no Ensino Superior. Alguns discentes referiram que se sentem culpados por não acompanharem, de forma efetiva, as atividades de leitura e de escrita propostas em seus respectivos cursos universitários, subentendendo que isso se deve a um distúrbio inerente aos mesmos.

Conclusão

Apesar do aumento do número de alunos no Ensino Superior, muitos ainda sentem-se excluídos da vida acadêmica, especialmente, por não usarem, de maneira proficiente, textos próprios deste nível de ensino. Cabe à Universidade e a todos os atores envolvidos na formação superior promoverem ações que considerem o direito a educação de todos os alunos.

Palavras-chave

Educação Superior; Letramento; Fonoaudiologia; Estudante; Ensino

Referências

  1. Brasil. Ministério da Educação. Censo da educação superior: notas estatísticas 2018. Brasília: Ministério da Educação.
  2. Matos AGS, Quadros C. O letramento vernacular e o acesso à educação no Brasil: o direito a serviço de quem? Rev Jur Curso de Direito da UESC. 2021;1:303-26.
  3. Heringer R. Democratização da educação superior no Brasil: das metas de inclusão ao sucesso acadêmico. Rev Bras Orientaç Prof. 2018;19(1):7-17. http://dx.doi.org/10.26707/1984-7270/2019v19n1p7
  4. Ação Educativa. INAF: Indicador de Alfabetismo Funcional Principais resultados [Internet]. São Paulo: Ação Educativa; 2018 [citado em 2020 Maio 20]. Disponível em: https://acaoeducativa.org.br/publicacoes/indicador-de-alfabetismo-funcional-inaf-brasil-2018/
  5. Oliveira CT, Santos AS, Souto DC, Dias ACG. Oficinas de elaboração de comunicação e escrita científica com estudantes universitários. Psic: Cienc Prof. 2014;34(1):252-63. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932014000100018
  6. Pan MAGS, Litenski ACL. Letramentos e identidade profissional: reflexões sobre leitura, escrita e subjetividade na universidade. Psicol Esc Edu. 2018;22(3):527-34. http://dx.doi.org/10.1590/2175-35392018032403
  7. Bezerra BG. Letramentos acadêmicos na perspectiva dos gêneros textuais. Fórum de Linguística. 2012;9(4):247-58. http://dx.doi.org/10.5007/1984-8412.2012v9n4p247
  8. Batista-Santos DO. O professor universitário como agente letrador: interfaces com o desenvolvimento do letramento acadêmico. Ling Ens. 2019;2(3):710-32.
  9. Pôrto TM, Massi GA, Guarinello AC. A relação de alunos de fonoaudiologia com a leitura e escrita a partir de uma oficina de letramento. Rev Ibero-Amer Est Educ. 2020;15(5):2985-3000. http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v15iesp5.14570
  10. Lustosa SS, Guarinello AC, Berberian AP, Massi GAA, Silva D. Análise das práticas de letramento de ingressantes e concluintes de uma instituição de ensino superior: estudo de caso. Rev CEFAC. 2016;18(4):1008-19. http://dx.doi.org/10.1590/1982-021620161843716
  11. Bakhtin M. (V.N. Volochinov) marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Editora Huritec; 1992.
  12. Oliveira AM, Pereira RA. Os gêneros do discurso na esfera acadêmica: reverberações dialógicas. Letras. 2019;29(58):13-35. https://doi.org/10.5902/2176148534195
  13. Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.
  14. Santos RS, Pereira LMS, Marques FM, Costa NCF, Oliveira PS. Perfil socioeconômico e expectativa docente de ingressantes no Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Rev Eletr Educ. 2014;8(2):293-303.
  15. Gatti BA. Atratividade da carreira docente no Brasil. Rev Nova Escola. 2009;1:1-3.
  16. Santos ACM, Luccia G. Perfil dos estudantes de Fonoaudiologia segundo o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes. Distúrbios Comun. 2015;27(3):589-99.
  17. Ferreira LP, Russo ICP, Adami F. Fonoaudiólogos doutores no Brasil: perfil da formação no período de 1976 a 2008. Pro Fono. 2010;22(2):89-94. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-56872010000200004
  18. Guedes MC. A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. Hist Cienc Sal. 2008;15(supl):117-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702008000500006
  19. Marqueleto L. Educational inequality by race in Brazil, 1982-2007: structural changes and shifts in racial classification. Demography. 2019;49(1):337-58. http://dx.doi.org/10.1007/s13524-011-0084-6
  20. Souza MG, Bassetto LMT. Os processos de apropriação de gêneros acadêmicos (escritos) por graduandos em letras e as possíveis implicações para a formação de professores/pesquisadores. Rev Bras Lingüíst Apl. 2014;14(1):83-110. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982013005000026
  21. Moretto M. Tentativas de apropriação da linguagem acadêmica por estudantes universitários: a produção escrita na universidade. Comunicações. 2017;24(1):171-86. http://dx.doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v24n1p171-186
  22. Motta-Roth D. Questões de metodologia em análise de gêneros. In: Karwoski AM, Gaydeczka B, Brito KS, orgs. Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas e União da Vitória: Kaygangue; 2005, p. 181.
  23. Guarinello AC, Pereira CCC, Massi G, Santana AP, Berberian AP. Anaphoric reference strategies used in written language productions of deaf teenagers. Am Ann Deaf. 2008;152(5):450-8. http://dx.doi.org/10.1353/aad.2008.0011
  24. Brasil. Base Nacional Comum Curricular. Ensino Médio. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica; 2019.
  25. Biscouto AR, Ferla JBS, Guarinello AC, Tonochi RC, Massi GAA, Berberian AP. Práticas de letramento e promoção da saúde no ensino superior: efeitos de intervenção intersetorial. Saúde Pesqui. 2020;13(2):285-93. http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2020v13n2p285-293
  26. Meira MEM. Para uma crítica da medicalização na educação. Rev Sem Assoc Bras Psic Esc Educ. 2012;16(1):135-42. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572012000100014
  27. Marinho MA. A escrita nas práticas de letramento acadêmico. Rev Bras Lingüíst Apl. 2010;10(2):363-86. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-63982010000200005
  28. Almeida AB, Pan MAGS. Contribuições bakhtinianas para o estudo das práticas de leitura e escrita na universidade: autoria, gêneros científicos e identidade profissional. In: Pan MAGS, Albnese L, Ferrarini NL, orgs. Psicologia e educação superior: formação e(m) prática (pp. 75-98). Curitiba: Juruá; 2017.
  29. Rojo R. Letramentos digitais – a leitura como réplica ativa. Trab Ling Aplic. 2007;46(1):63-78. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-18132007000100006
     
6373b4a4a9539542d85fdab4 codas Articles

CoDAS

Share this page
Page Sections