CoDAS
https://codas.org.br/article/doi/10.1590/2317-1782/20202020248
CoDAS
Editorial

Language therapy, sign language and bilingualism for the deaf

Fonoaudiologia, língua de sinais e bilinguismo para surdos

Maria Cecília de Moura; Desirée De Vit Begrow; Adriana Di Donato Chaves; Cíntia Alves Salgado Azoni

Downloads: 0
Views: 44


Resumo

A Fonoaudiologia está historicamente ligada à surdez e à pessoa surda. Esta atuação se explica ao verificar-se a origem da profissão marcada pela imposição ao gerenciamento social que objetivava unificar as formas de expressão utilizadas no Brasil . Assim, fazer com que aquele que não ouvia ou ouvia mal pudesse se adequar às normas da língua, se configurou como campo ideal de trabalho da Fonoaudiologia. As ações iniciais, no século XX, de cunho marcadamente oralista, se estendiam da clínica à escola e os professores eram ensinados a atuar com alunos surdos e todo esforço era feito para que ele pudesse se adequar às normas da língua oral num trabalho clínico intensivo.

Referências

  • Berberian AP. Fonoaudiologia e educação: um encontro histórico. São Paulo: Plexus; 1995.

  • Yoshioka MCCP, Spinelli M, Teixeira VRV, Moura MC. Utilização de comunicação total em sujeitos com deficiência auditiva severa. In: Paiva AF, Spinelli M, Vieira S, editores. Distúrbios da comunicação: estudos interdisciplinares. São Paulo: Cortez/Autores Associados; 1981. p. 147-88. (Coleção Educação Contemporânea. Série: Educação Especial).

  • Ciccone M. Comunicação total. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 1990.

  • Moura MCO. Surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Revinter; 2000.

  • Guarinelo AC, Claudio DB, Festa PSV. A produção do conhecimento em Fonoaudiologia, Educação e Psicologia acerca da linguagem e da surdez: análise de periódicos. Cienc Cult. 2012;45:115-32.

  • Moura MC. Libras e Fonoaudiologia: territórios a serem compartilhados. In: Araújo AN, Queiroga B, Lucena J, Studart L, editores. Questões contemporâneas da clínica fonoaudiológica. São José dos Campos: Editora Pulso; 2018. p. 215-25.

  • Begrow DV. A constituição da identidade do sujeito surdo a partir da perspectiva sócio-histórico cultural: uma reflexão. In: Santos MC, Gonçalves IMC, Duboc MJ, Ribeiro SL, Castro ASA, editores. Educação inclusiva em foco. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2006. p. 109-1026.

  • Di Donato A, Oliveira SMD. Libras I. In: Faria EMB, Cavalcante MCB, editores. Língua portuguesa e Libras: teorias e práticas. 1. ed. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB; 2010, p. 155-97.

  • Cruz CR, Pizzio AL, Quadros RM. Avaliação da discriminação fonêmica do Português Brasileiro e da Língua de Sinais Brasileira em crianças ouvintes bilíngues bimodais e em crianças surdas usuárias de implante coclear. Rev ABRALIN. 2015;14(1):407-30. http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v14i1.42824
    » http://dx.doi.org/10.5380/rabl.v14i1.42824

  • Cripps JH, Cooper SB, Supalla SJ, Evitts PM. Meeting the needs of signers in the field of speech and language pathology, some considerations for action. Comm Disord Q. 2015;37(2):108-16. http://dx.doi.org/10.1177/1525740115576955
    » http://dx.doi.org/10.1177/1525740115576955

  • Nascimento V, Moura MC. Habilitação, reabilitação e inclusão: o que os sujeitos surdos pensam do trabalho fonoaudiológico? Rev Cienc Hum. 2018;52:1-19. https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e49807
    » https://doi.org/10.5007/2178-4582.2018.e49807

  • Chaves ADD. Ações propositivas para o aperfeiçoamento de produções escritas por aprendizes surdos bilíngues. In: Faria BEM, Melo LGD, Cavalcante MB, Fernandes TA, editores. Letramentos e inclusão - PNAIC Paraíba. 1. ed. João Pessoa: UFPB; 2014. p. 63-84. (v. 1).

  • Alves LF, Leão MF, Agapito FM. Políticas públicas voltadas para a inclusão social de surdos. Rev Destaques Acadêmicos. 2017;9(2):149-62. http://dx.doi.org/10.22410/issn.2176-3070.v9i2a2017.1399
    » http://dx.doi.org/10.22410/issn.2176-3070.v9i2a2017.1399

  • Vianna NG. Ruídos e silêncios: uma análise genealógica sobre a surdez na política de saúde brasileira [tese]. Campinas: Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas; 2018 [citado em 2020 Set 22]. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/334621
    » http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/334621

  • Lichtig I, Barbosa FV. Abordagem bilíngue na terapia fonoaudiológica de surdos. In: Fernandes FDM, Mendes BCA, Navas ALPGP, editores. Tratado de Fonoaudiologia. 2. ed. São Paulo: Roca; 2009. p. 210-9. (v. 1).

  • Lichtig I, Barbosa FV, Moura GM. Educação e Surdez. In: Bento RF, Lima J, Penna LR, Koji TR, Goffi-Gomez MVS, Lima DVSP, Brito NR, editores. Tratado de implante coclear e próteses auditivas implantáveis. 1. ed. Rio de Janeiro: Thieme; 2014. p. 453-7. (v. 1).

  • Barbosa FV. A clínica fonoaudiológica bilíngue e a escola de surdos na identificação da língua de sinais atípica. Educ Real. 2016;41(3):731-54. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623661121
    » http://dx.doi.org/10.1590/2175-623661121

  • Moura MC, Begrow DDV, Di Donato A. Língua de sinais e fonoaudiologia bilíngue na atuação com o surdo em tempos de COVID-19. In: Azoni CAS, Lira JO, editores. Estratégias e orientação em linguagem: um guia em tempos de COVID-19 [Internet]. São Paulo: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. p. 70-8 [citado em 2020 Set 22]. Disponível em: https://lp.sbfa.org.br/guia/


Submetido em:
20/09/2020

Aceito em:
21/04/2021

60b4fc7ba95395565526e364 codas Articles

CoDAS

Share this page
Page Sections