CoDAS
https://codas.org.br/article/doi/10.1590/2317-1782/20202018279
CoDAS
Artigo Original

Construct validation of enunciative signs of language acquisition for the first year of life

Validação de construção de sinais enunciativos de aquisição da linguagem no primeiro ano

Anelise Henrich Crestani; Anaelena Bragança de Moraes; Adriano Mendonça Souza; Ana Paula Ramos de Souza

Downloads: 0
Views: 357

Abstract

ABSTRACT Purpose: To perform the construct validation of enunciative signs of language acquisition for children aged 3 to 12 months. Method: The study sample consisted of 94 mother-infant dyads for the analysis of Phase 1 (3-6 months) signs and 61 dyads for the analysis of Phase 2 (7-12 months) signs. Data collection was performed through analysis of the interaction between mothers and infants in play situation recorded in 15-min videos in the predicted phases, with attribution of value types of present or absent to each sign analyzed. The collected data were organized on a spreadsheet and then converted to computer applications for factor analysis. Results: Factor analysis indicated the existence of two factors named “mother” and “infant” both for Phase 1 signs (explaining 71.9% of the variation) - with three signs relevant for the “infant” factor and one sign relevant for the “mother” factor, and for Phase 2 signs (explaining 74.4% of the variation) - with one sign relevant for the “infant” factor and one sign relevant for the “mother” factor. Conclusion: Construct validation showed that one “mother” factor and one “infant” factor were able to distinguish between at-risk and not-at-risk groups in both phases analyzed, which suggests that the absence of these signs may pose risks to language acquisition.

Keywords

Risk Factors, Language Acquisition, Child Development, Evaluation, Early Intervention

Resumo

RESUMO Objetivo: Realizar a validação de construção dos Sinais Enunciativos de Aquisição da Linguagem para crianças de 3 a 12 meses. Método: A amostra contou com 94 díades de mãe-bebê para análise dos sinais da fase 1 (3 a 6 meses) e 61 díades para análise dos sinais da fase 2 (7 a 12 meses). A coleta de dados ocorreu por meio da análise da interação entre mães e bebês em situação lúdica gravada em vídeo nas fases previstas, com atribuição de valor do tipo presente ou ausente a cada sinal analisado em cada fase. Os dados foram organizados em planilha e convertidos para aplicação de software para análise factorial. Resultados: A análise factorial indicou a existência de dois fatores nomeados “da mãe” e “da criança” na análise da fase 1 dos sinais (explicando 71,9% da variação total), com três sinais relevantes para o fator “da criança” e um sinal relevante para o fator “da mãe”, com relação à fase 2 (explicando 74,4% da variação total), um sinal foi relevante para o fator “da criança” e um para o fator “da mãe”. Conclusão: A validação de construção demonstrou que um fator materno e um fator da criança foram hábeis para distinguir grupos de risco e não risco em ambas as fases analisadas, o que sugere que a ausência desses sinais pode indicar risco à aquisição da linguagem.

Palavras-chave

Fatores de Risco, Aquisição da Linguagem, Desenvolvimento Infantil, Avaliação, Intervenção Precoce

Referências

Gouvêa G, Freire RM, Dunker CIL. Sanção em Fonoaudiologia: um modelo de organização dos sintomas de linguagem. Cad Est Ling. 2011;53.

Lindau TA, Luchesi FD, Rossi NF, Giacheti CM. Instrumentos sistemáticos e formais de avaliação da linguagem de pré-escolares no Brasil: uma revisão de literatura. Rev CEFAC. 2015;17:656-62.

Hage SR, Pereira TC, Zorzi JL. Protocolo de observação comportamental - PROC: valores de referência para uma análise quantitativa. Rev CEFAC. 2012;14:677-90.

Scherer S, Souza AP. Types e tokens na aquisição típica de linguagem por sujeitos de 18 a 32 meses falantes do português brasileiro. Rev CEFAC. 2011;13:838-46.

Santos ME, Lynce S, Carvalho S, Cacela M, Mineiro A. Extensão média do enunciado-palavras em crianças de 4 a 5 anos com desenvolvimento típico de linguagem. Rev CEFAC. 2015;17:1143-51.

Suttora C, Salerni N. Maternal speech to preterm infants during the first 2 years of life: stability and change. Int J Lang Commun Dis. 2011;46:464-72.

Lowe JR, Erickson SJ, MacLean P, Schradr R, Fuller J. Association of maternal scaffolding to maternal education and cognition in toddlers born preterm and full term. Acta Pediatr. 2013;102:72-7.

Verly FR, Freire RM. Indicadores clínicos de risco para a constituição do sujeito falante. Rev CEFAC. 2015;17:766-74.

Silva CL. A criança na Linguagem: enunciação e aquisição. 2009.

Crestani A. Elaboração e validação preliminar de índices de aquisição da linguagem em uma perspectiva enunciativa para crianças de 2 a 12 meses. 2016.

Guinzburg C. Mitos, Emblemas, Sinais: morfologia e história. 1989.

D'aeseleer E, Vanden Hearschaut F, Bettem K, Luyten A, Gysels H, Thienpont Y, DeWitte G, Hundryckx B, Oostra A, Roceyers H, Sutter PD, van Lierde K. Language development of children born following intracytoplasmic sperm injection (ICSI) combined with assisted oocyte activation (AOA). Int Lang Commun Disord. 2014;49:702-9.

Sarant J, Harris D, Bennet L, Bant S. Bilateral versus unilateral cochlear implants in children. Ear Hear. 2014;35:396-409.

Alvarenga K F, Araújo ES, Melo TM, Martinez MA, Bevilacqua MC. Questionnaire for monitoring auditory and language development in first year. CoDAS. 2013;25:16-21.

Vassoler TM, Cordeiro ML. Brazilian adaptation of the functioning after pediatric cochlear implantation (FAPCI): comparison between normal hearing and cochlear implanted children. J.Pediatr. 2015;91:160-7.

Saint-Georges C, Chetouani M, Cassel R, Apicella F, Mahdhaoui A, Muratori F, Laznik MC, Cohen D. Motherese in interaction: at the cross-road of emotion and cognition? (A systematic review). PLoS One. 2013;8.

Saint-Gerges C, Mahdhaoui A, Chetovani M, Cassel RS, Laznik MC, Apicella F, Muratori P, Maestro S, Muratori F, Cohen D. Do parents recognize autistic deviant behavior long before diagnosis? Taking into account interaction using computational methods. PLoS One. 2011;6.

Cohen D, Casse RS, Saint-Georges C, Mahdhoui A, Laznik MC, Apicella F, Muratori P, Maestro S, Muratori F. Do parents prosody and father's involvement in interacting facilitate social interaction in infants who later develop autism?. PLoS One. 2013;8(5).

Kruel CS, Rechia IC, Oliveira LD, Souza AP. Categorias enunciativas na descrição do funcionamento de linguagem de mães e bebês de um a quatro meses. CoDAS. 2016;28(3):244-51.

Flores M, Souza AP. Dialogue between parents and development risk babies. Rev CEFAC. 2014;16:840-52.


Submetido em:
17/06/2019

Aceito em:
30/07/2019

5ef26ca10e8825e352c092df codas Articles
Links & Downloads

CoDAS

Share this page
Page Sections